domingo, 28 de dezembro de 2014

#185 Tentaram-nos enterrar, mas não sabiam que éramos sementes.


A vida é uma imensa dádiva, não obstante as inúmeras lutas, (por vezes verdadeiras guerras mesmo!) que travamos diariamente, nos vários quadrantes onde nos movimentamos, material e espiritualmente.

O encontro da paz e da harmonia são tarefas não tão simples quanto esperávamos ser e somos desafiados, vezes sem conta a mudar de rumo, a alterar mesmo o nosso, ou até convidados a inverter princípios e valores.

No fundo, há sem dúvida que evoluir no pensamento. 

Há que aprender, há que escutar, há que caminhar. Mantenhamos uma postura atenta e naturalmente mantenhamos em aberto a nossa perspectiva crítica e o nosso olhar filosófico. Dialogando, indagando, observando... Em muito: observando.

Mas... na essência mais pura e mais íntima, naquela em que está a nossa identidade, a nossa alma, a nossa singularidade: não podemos permitir intoxicações. Devemos defendê-la até de nós mesmos, quando não estamos ainda de pleno acesso à hiper-consciência... baralhados(as)?

Bom de facto, tudo se resume a darmos voz à nossa intuição. Dar voz aos nossos outros sentidos (para além do mero tacto, olfacto, audição, visão e paladar), que não se manifestam com tanta afirmação apreciável a mentes menos despertas, como até a nossa o é, até dado momento do despertar...

Sejamos a semente da nova era, na construção do Ser pleno. Sem tabus ou preconceitos. Sem dogmas. Sem estereótipos.


"Tentaram-nos enterrar, nesta e noutras vidas... mas não sabiam que éramos sementes. Sementes de mudança."



sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

#184 O Beijo que morreu


Perdido, ganhou coragem e levantou-se, determinado. 
Estava decidido a mudar, o até agora: triste fado.

Contemplou e sorriu

de alguma forma seria diferente
o tempo afinal havia passado.


Uma nova vida, é uma nova vida.
Inclinou-se e abraçou,

o horizonte cheio de nada


caiu no vazio
beliscou o zero
e


constatou que o beijo não havia morrido
porque sequer ainda não havia nascido.


É que:

 jamais pode partir: 





quem nunca se atreveu a chegar.






* Vi esta imagem publicada no mural de uma velha amiga e inspirou-me a produzir este pequeno texto, bem diferente da concepção da imagem, que alegadamente aponta para uma nota de humor (que também subscrevo). Mas é isso que é belo nas palavras... podermos revisitá-las e significá-las a nosso bel prazer. Consoante os nossos sentires... ganham vida e não nos pertencem. 

São livres e voam... até caírem no peito de alguém. 

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

#183 O Templo


Passamos a vida inteira a fugir de nós. De nós mesmos. Até que enfim, nos lembramos... 

Pelo meio: avanços e recuos. Eternas partidas e derradeiras chegadas. Dores, lágrimas mil... Mas também alguns sorrisos, que valem bem por todas as lágrimas enxugadas.

No capítulo das partidas, têm sido anos duros. Muito duros, até. Este ano continua a sua senda costumeira, premiando-me com a dor habitual. (nada de novo, afinal)

Pelo menos, compreendo melhor os fenómenos do apego e da aversão. E liberto-me agora, com maior desenvoltura e rapidez dessas armadilhas.

Volta e meia, a vida surpreende-me e traz algo de novo, mas na realidade sinto que estou numa espécie de loop contínuo. Certamente também por culpa minha. Porque... me esqueci. 


E  s   q    u     e   c i -  m   e     .   .    .


Estou por isso, cada vez mais de regresso ao Templo. Com maior frequência e regularidade.

Regresso a esse Templo, que fui construíndo interiormente, pedra sobre pedra, ao longo dos anos. Por vezes encontro-o abalado, mas jamais destruído.

Talvez também por isso, haja ainda lugares onde nunca fui, mas que reconheço e sei de cor como são... Isso, não obstante quase lhes tocar e sentir o cheiro. 

Na verdade, aos poucos a viagem vai sendo feita e as malas vão sendo fechadas. E.. não há como voltar atrás.



Boas Festas.




quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

#182 Tatua-me


Preenche-me de cor 

mas


por favor 
corta-me a carne.


Desenha-me o campo

ou 
o céu

ou


o espaço


Cobre-me de um véu
 e acolhe-me


 no 

teu 



e g a ç o. 



sábado, 20 de dezembro de 2014

#181 Ardente


Ardente ÉS, 
recordação distante,
 da cabeça aos pés
a montante e a jusante

me relembras...



Distância impermanente
memórias que perdeste, ausente

congelas o tempo
embrulhas em tons de esperança
saudades do que não vivi.

...e se Acaso me perdi
oxalá me encontres tu e 
jamais me largues.



ou que o porão onde guardas os teus sentires
me albergue já, 


perdido que estou.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

#180 Eu prometo


Demoraram anos e anos

mas aos poucos começo a lembrar-me.


Como poderia ser possível esquecer-te?
Depois de tudo o que já passamos juntos...

...tão marcante foi, que tive que
viver quase quatro décadas sem TI.

Talvez, para agora te redescobrir de novo
e começarmos exactamente no ponto em 
que terminamos a nossa caminhada, juntos.

Espero que me desculpes
ainda não te tratar com o carinho que mereces...


Prometo lembrar-me e fazer esse esforço
para merecer de novo

mais uma última 




VIAGEM.


Vou a caminho e nada me deterá. Acredita.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

#179 O Pai Natal e o miúdo morreram, faz 7 anos


11 de Dezembro de 2007, pelas 07h da manhã, recebia ao telefone a notícia que já esperava e que ansiava, dadas as condições.

Acabava de "partir para outras paragens", o meu Pai Natal. O alívio pelo fim do seu sofrimento, instalava-se em mim, num misto de paz e de saudade.

O Natal naturalmente jamais seria o mesmo. Ainda assim, desde a primeira hora, havia que mudar de página. E assim o tenho feito. Assim o temos feito todos.

Reencontro a alegria perdida nos sorrisos inocentes das crianças (que um dia fui e que de alguma forma continuo ainda a ser), no voluntariado que presto diariamente e indiscriminadamente, nas duas instituições que presido e nos sonhos que realizo. Meus e dos outros, porque a vida continua. Diferente, mas continua.

O Pai Natal morreu há 7 anos, mas o exemplo dele continua vivo no meu dia dia, os seus ensinamentos consolidaram-se em mim e naturalmente: o miúdo de alguma forma morreu, nesse dia também...

A vida é uma jornada imensa, cheia de potencialidades. Todos temos que partir um dia e mal daqueles que não se habituam a mais este patamar a que chegaremos.

A cumprirem-se as regras, o envelhecimento dá-se e leva-nos. Outras vezes, partimos mais cedo. E até lá... vemos partir muitos dos que mais gostávamos.

Sei que já cá estive várias vezes. Isso evidentemente, ajuda a compreender.

Não sei quantas estiveste, Pai... mas espero que para onde tiveres ido: trates bem o miúdo.




quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

#178 O impossível atrai-me e vou.



Amo o que é difícil. 
Gosto do desafio mais complexo, 
do desconhecido mais atrevido, 
do impossível mais extremo.

Para mim nunca é tarde para uma nova viagem, 
para dar a volta de 180º, de novo, 
que outrem considere tardia e 
manifestamente desmobilizadora.

Entre o mais conservador sabor da segurança, 
conforto e certeza,
prefiro a dúvida, o frio no estômago e 
o sabor da vertigem 

VIVER, é pois realizar a utopia
todos os dias e dia nenhum.

É sonhar e lutar
por novas concretizações.
É avançar quando os outros fogem
É cair e levantar de novo 


É chorar e sorrir e chorar e sorrir
e


continuar

domingo, 7 de dezembro de 2014

#177 Não vemos as coisas como são: vemos as coisas como somos.


Esta frase da mítica escritora Anaïs Nin, é o mote para nos lembrarmos de como nos deixamos conduzir tantas vezes por caminhos falaciosos, onde a nossa visão sobre as coisas se deturpa e contamina todos os nossos sentidos.

O desafio de permanecermos focados, com o coração puro e resistentes a todas as contrariedades que nos possam por ventura surgir, é sem dúvida: tarefa árdua.

Como não projectarmos no "outro" que connosco se cruza, todos os nossos receios, medos e frustrações? 

Como conseguir separar a memória que temos do passado, as expectativas que temos do futuro e darmos uma hipótese ao: momento presente?

Direi eu, que o andar dos anos ajuda e muito a desvendar esse belo mistério da vida...

Saibamos permanecer determinados, sem no entanto ficarmos estáticos!

Saibamos evoluir, arriscar, errar e levantar rápido das quedas, procurando sempre em nós, o brilho nos olhos e o sorriso de criança, que também eu espero levar comigo, até ao meu último dia.  

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

#176 Ir


Não se ser de parte alguma, sem raízes que não as da dimensão do cosmos, pode trazer problemas.

Por vezes, mais que assumir a sensação de apátrida, sente-se uma amálgama de sensações de uma densidade maior que isso, despovoadas do que os sentidos banais encontram como correspondência. É-se pois, por aproximação, mais uma espécie de: "aplanetário".

IR - apresenta-se, não raras vezes, como a única e derradeira possibilidade. Mas IR para onde?

Feliz ou infelizmente, nada como uma noite a seguir à outra. O problema: ...quando já nem isso resolve.


sábado, 29 de novembro de 2014

#175 És sensitivo(a)? Reconhece-TE.

Aqui ficam 30 dos traços mais comuns do "SENSITIVO" ou "EMPATA":

1Saber: os sensitivos sabem coisas, sem lhes ser dito. É um conhecimento que vai além da intuição, mesmo que essa seja a forma como muitos poderiam descrever o saber. Quanto mais sintonizados eles são, mais forte este dom se torna;
2Estar em locais públicos pode ser esmagador ou avassalador: lugares como shoppings, supermercados ou estádios onde há uma grande quantidade de pessoas ao redor pode preencher o empata com as emoções turbulentas vindas de outras pessoas;
3Sentir as emoções e tomá-las como suas: este é grande fardo para sensitivos. Alguns deles vão sentir emoções vindas daqueles que estão perto e outros poderão sentir as emoções de pessoas a uma grande distância, ou até ambas. Os empatas mais sintonizados irão saber se alguém está a ter maus pensamentos sobre eles, até mesmo a uma grande distância;
4Assistir a violência, crueldade ou tragédias na TV pode tornar-se insuportável. Quanto mais sintonizado um empata se torna, pior se torna o ato de ver TV. Pode acontecer, eventualmente, este ter de parar de ver televisão e ler jornais por completo;
5O empata sabe quando alguém não está a ser honesto:  se um amigo ou um ente querido lhe está a dizer mentiras ele sabe disso (embora muitos sensitivos tentem não se focar muito nesse conhecimento porque saber que um ente querido está a mentir pode ser doloroso). Se alguém está a dizer alguma coisa mas se ele sente ou pensa de outra forma, o empata simplesmente sabe;
6Captar os sintomas físicos de uma outra pessoa: um empata pode desenvolver as doenças de outra pessoa (constipações, infecções oculares, dores no corpo e dores), especialmente aqueles que são mais próximos, um pouco como as dores de simpatia;
7Distúrbios digestivos e problemas nas costas: o chacra do plexo solar tem base no centro do abdómen e é conhecido como a sede das emoções. Este é o lugar onde os empatas sentem a emoção de entrada do outro, o que pode enfraquecer a área e, eventualmente, levar a qualquer problema, desde úlceras estomacais a má digestão, entre muitas outras coisas. Os problemas nas costas podem-se desenvolver porque quando uma pessoa que não tem conhecimento que é um empata e não está preparada, estará quase sempre “sem chão”;
8Sempre a olhar os oprimidos: qualquer um cujo sofrimento, dor emocional, a ser vítima de injustiça ou intimidado, chama a atenção e a compaixão de um empata;
9. Outros irão querer descarregar os seus problemas, até mesmo estranhos: um empata pode-se tornar uma lixeira para questões e problemas de toda a gente e se não tiver cuidado pode acabar como utilizando esses problemas como seus próprios;
10. Fadiga constante: os sensitivos muitas vezes ficam sem energia, seja de vampiros de energia ou apenas captando em demasia a energia dos outros, que até mesmo o sono não cure. Muitos são diagnosticados com Fadiga Crônica ou até Fibromialgia;
11Personalidade possivelmente viciada:  álcool, drogas, sexo, são, para citar apenas alguns vícios a que os empatas podem recorrer, para bloquear as emoções dos outros. É uma forma de auto-proteção, a fim de se esconder de alguém ou de algo. Pode não se tornar um vício mas, em menor escala, hábitos regulares;
12Atração para a cura, as terapias holísticas e todas outras coisas metafísicas:embora muitos sensitivos gostassem de curar os outros, podem acabar por se afastar dessa vocação (mesmo tendo eles uma capacidade natural para isso), depois de se terem estudado e formado, porque eles carregam muito daqueles que eles estão a tentar curar. Especialmente se eles não sabem da sua capacidade e habilidade da empatia. Qualquer coisa que tenha uma natureza sobrenatural é de interesse para os sensitivos e não se surpreende ou ficar chocado facilmente. Mesmo com uma revelação que muitos outros considerariam impensável, por exemplo, os empatas teriam reconhecido o mundo seria redondo quando todos os outros acreditavam que era plana;
13.Criatividade: a cantar, dançar, atuar, desenhar ou escrever, um empata terá uma forte veia criativa e uma imaginação muito fértil;
14. Amor pela natureza e pelos animais: estar ao ar livre na natureza é uma obrigação para os sensitivos e os animais de estimação são uma parte essencial da sua vida. Podem não os ter porque acredita que eles devem ser livres mas têm grande carinho e proteção por eles;
15Necessidade de solidão: um empata vai agitar-se e ficar louco se ele não receber algum tempo de silêncio. Isto é ainda muito evidente em crianças empáticas;
16Fica entediado ou distraído facilmente se não for estimulado nas tarefas mais rotineiras: trabalho, escola e vida doméstica tem que ser mantidas interessantes para um empata ou eles desligam-se delas e acabam a sonhar, rabiscar ou a procrastinar;
17Consideram impossível fazer coisas que não gostam: como no anterior, parece que eles estão a viver uma mentira por fazê-lo. Para forçar um empata a fazer algo que ele não gosta, através da culpa ou rotulando-o como passivo servirá apenas para fazê-lo ficar infeliz. É por esta razão que muitos sensitivos ficam rotulados como sendo preguiçosos;
18Luta pela verdade: isso torna-se mais predominante quando um empata descobre seus dons de nascença. Qualquer coisa que seja ele sente que está completamente errada;
19. Sempre à procura de respostas e conhecimento: ter perguntas sem resposta pode ser frustrante para um empata e eles vão esforçar-se sempre para encontrar uma explicação. Se eles têm um conhecimento sobre algo, eles irão procurar a confirmação. O lado mau disso pode ser a sobrecarga de informações;
20Gostam de aventura, liberdade e viagens: os sensitivos são espíritos livres;
21Abomina a desordem: ela traz uma sensação ao empata de peso e bloqueia o seu fluxo de energia;
22Adora sonhar acordado: um empata pode olhar para o espaço por horas, ficando num mundo muito próprio e de muita felicidade;
23Acha a rotina, as regras ou o controlo aprisionante: qualquer coisa que tire a liberdade é debilitante para um empata;
24Propensão para carregar peso sem necessariamente se desgastar: o excesso de peso é uma forma de proteção para impedir a chegada das energias negativas que têm tanto impacto em si;
25. Excelente ouvinte: o empata não vai falar de si, a menos que seja para alguém em quem realmente confia. Ele gosta de conhecer e aprender com os outros e genuinamente cuidar;
26Intolerância ao narcisismo: embora sensato e generoso e muitas vezes tolerante para com os outros, os sensitivos não gostam de ter pessoas ao seu redor excessivamente egoístas, que se colocam em primeiro lugar e se recusam a considerar os sentimentos dos outros, ou pontos de vista diferentes do seu;
27. A capacidade de sentir os dias da semana: um empata sentirá o “Sentimento de Sexta-feira”, quer ele trabalhe às sextas-feiras ou não. Eles captam sobre como o colectivo se está a sentir. O primeiro par de dias de um longo fim de semana de feriado (da Páscoa, por exemplo) pode ser sentido por eles, como se o mundo estivesse sorrindo, calmamente e relaxadamente. Domingo à noite, as segundas-feiras e terças-feiras, de uma semana de trabalho, têm um sentimento muito pesado;
28. Não vai optar por comprar antiguidades, vintage ou coisas em segunda mão: qualquer coisa que tenha sido pré-propriedade, carrega a energia do proprietário anterior. Um empata vai mesmo preferir ter um carro ou uma casa nova (se eles estiverem numa situação financeira que lhe permita fazê-lo), sem energia residual;
29. Sente a energia dos alimentos: muitos sensitivos não gostam de comer carne ou aves, pois eles podem sentir as vibrações do animal (especialmente se o animal sofreu), mesmo se eles gostarem do seu sabor;
30. Pode parecer mal-humorado, tímido, indiferente, desconectado: dependendo de como um empata se sente, isso irá influenciar com que cara eles se mostram para o mundo. Eles podem ser propensos a mudanças de humor e se eles captaram energia muito negativa aparecerão calados e insociáveis, parecendo mesmo miseráveis. Um empata detesta ter de fingir ser feliz quando está triste, isso só aumenta a sua carga (torna o trabalho no sector de serviços, quando é preciso fazer o serviço com um sorriso, muito desafiador) e pode fazê-los sentir como que se escondendo debaixo de uma pedra.

Se você pode identificar-se com a maioria ou com todos os itens acima, então você é definitivamente mais um empata.
Os sensitivos estão a ter um momento particularmente difícil, no momento presente, captando todas as emoções negativas que estão a ser emanadas para o mundo a partir da população que sente as dificuldades da sociedade atual, por todo o mundo.

(texto original de Alcino Rodrigues)

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

#174 Viver, sem pausas


Todos sabemos que "isto" acaba um destes dias. E o que é "isto", afinal?

É a VIDA, mas neste corpo físico (desta vez), com as suas condicionantes, as suas "vitórias" e aparentes "derrotas" (mais tarde percebemos sempre que foram apenas testes, lições, ensinamentos, aprendizagens... de resto como as tais supostas "vitórias").

Aprender a confiar na intuição e em todos os sentidos que se apresentam escondidos, é algo a que me tenho dedicado, ao longo dos anos. Cada vez mais.

A visão, o olfacto, o tacto, a audição e o paladar, também podem e devem ser educados... mas... nem de longe, nem de perto, são os sentidos mais confiáveis. Bem pelo contrário.

Coisas que se aprendem, com o passar dos anos. Estando atento e observando.

Observando...



Observando...






Observando.